Exemplo de local com deposição irregular de lixo na Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras. Foto: Cléber Moletta/Rádio Cultura FM Guarapuava.

Ouça a reportagem

A cidade, muitas vezes, considera que aquele lugar é um depósito de lixo. Saem caminhões para jogar móveis, sofá. O ambiente natural tem sido visto como um local de depósito de lixo

Essa é a afirmação da professora e pesquisadora da Unicentro Adriana Massaê Kataoka, professora e pesquisadora da Unicentro. Ela trabalha o tema educação ambiental e já realizou diversas pesquisas na região, incluindo na Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras.

Segundo ela, a mentalidade de parte da população ainda é a de ser livrar do lixo de qualquer maneira, desde que ele esteja longe.

Se elas não conseguem nem ter a percepção de que se joga o lixo no outro lado da rua isso retorna pra ela, que dirá nessas áreas mais distantes. Mas ela não pensa que a água que vem na torneira dela é captada nessas localidades, completa Adriana.

Jogar lixo pode ser caracterizado crime ambiental. Mas depende de denúncia, via 181, e preferencialmente deve ser acompanhada de fotos, filmagens ou ao menos a placa do veículo poluidor. Isso facilita o trabalho da polícia.

ALÉM DO LIXO

No entanto, não é somente o lixo que gera preocupação na região. Por isso, todos os que moram ou utilizam a região devem se responsabilizar pelo cuidado.
Segunda a professora Adriana, um primeiro passo para ações de educativas é conhecer o público alvo e a partir disso planejar e realizar o trabalho educativo.

Uma ação nesse sentido já foi iniciada na Bacia do Rio das Pedras. O levantamento é parte do Diagnóstico Socioambiental realizado pela Unicentro e que está norteando ações na região.

Identificamos na região agricultores familiares, que são a maioria, entre 50 e 60%, tem ainda agricultores comerciais, empresários, posseiros e alguns proprietários de áreas de preservação permanente, explica Adriana.

Segundo ela, quem vive no local sabe que estão na região de manancial, mas não tem a clareza de como devem contribuir. Por isso, ela acredita deve ser feito um trabalho de educação com esse público.
Para pesquisadora, é preciso aliar a educação ambiental com a questão social vivida no local, sobretudo de populações que estão mais vulneáveis.

Nós percebemos que o que ameaça o ambienta natural também ameaça alguns grupos sociais mais vulneráveis, que é a lógica do capital e exploração em nome do lucro. Nessa condição, ambiente e pessoas são coisificadas, são elementos para se extrair lucro, então há exploração de pessoas e ambiente, enfatiza Adriana.

Confira as outras reportagens da série Rio das Pedras: nossa água de cada dia.

Algo errado? Comunique pelo email: pauta@culturacatolica.com.br

--

--

--

A Rádio Cultura produz conteúdos jornalísticos de qualidade na região de Guarapuava. Algumas dessas histórias você acompanha aqui ou em centralcultura.com.br

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Rádio Cultura Guarapuava

Rádio Cultura Guarapuava

A Rádio Cultura produz conteúdos jornalísticos de qualidade na região de Guarapuava. Algumas dessas histórias você acompanha aqui ou em centralcultura.com.br

More from Medium

How to decide the winner of a raffle based on chat ranking and levels

How to Align and Distribute Objects on PowerPoint

Part 2: K.I.D.S (it is all about learning)