#4 Como conciliar as atividades econômicas e preservação da Bacia do Rio das Pedras?

Área com agricultura convencional na região da Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras, em Guarapuava. Foto: Cléber Moletta/Rádio Cultura FM Guarapuava.
Área com agricultura convencional na região da Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras, em Guarapuava. Foto: Cléber Moletta/Rádio Cultura FM Guarapuava.

Ouça a reportagem.

A legislação e o Zoneamento do Município restringem a instalação de empreendimentos de alto impacto ambiental na região. Segundo o Secretário Municipal de Meio Ambiente de Guarapuava, Celso Alves Araújo, isso está sendo cumprido à risca e loteamentos, empreendimentos de risco não são autorizados na área da Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras.

Fonte: Diagnóstico Socioambiental da Bacia do Rio das Pedras, Unicentro (2020).

No entanto, professor e pesquisadores da Unicentro (Universidade Estadual do Centro-Oeste) sugerem medidas ainda mais rígidas para proteção da área de manancial do município de Guarapuava.

Atualmente, segundo o Diagnóstico Socioambiental da Bacia do Rio das Pedras, elaborado pela Unicentro , quase metade da área é composta por mata nativa. Mas, também existem atividades com risco alto de impacto ambiental em funcionamento.

A agricultura convencional atualmente é pequena na região. Porém, sua expansão poderia criar problemas de poluição do solo e da água por produtos químicos. Esse é um exemplo de atividade de risco na Bacia.

TURISMO COMO POSSIBILIDADE

Créditos: Divulgação.

A família Stoeberl é um exemplo dessa possibilidade. A advogada, e agora empresária, Márcia Stoeberl e a família transformaram uma área com plantio de soja, que antes era uma leiteria, em um empreendimento turístico.
Segunda ela, a família percebeu que a opção mais sustentável para manter o local não seria com uma atividade econômica que tradicionalmente é realizada na região. Era preciso inovar, buscar uma atividade que fosse ao encontro da conservação.

O nosso potencial turístico é bem grande, é uma região que se você fizer uma viagem aérea vai perceber que tem muitas áreas de preservação e isso deveria ser valorizado pelo poder público, porque esse turismo ele preserva, ele cuida da Natureza, o que é muito importante. Afinal de contas, o rio é a água que você toma aqui na cidade, afirma Márcia.

Emanuel, filho da Márcia e um dos responsáveis por transformar a propriedade da família no Hope Valley Adventure, conta que no início seria construída uma tirolesa e aberto o local para pesca recreativa. Mas a demanda por mais atrativos surgiu.

Começamos com a tirolesa e o pesque-pague, e as pessoas pediram um local para comer, por isso montamos o restaurante. Depois surgiu a demanda por hospedagem e camping, e fizemos os chalés. E agora temos várias atividades que exploram as belezas do lugar sem ferir a natureza, explica Emanuel.

O local recebe visitantes e turistas e aproveita o potencial do próprio local, como a mata atlântica, com araucárias, que é usada para trilhas, a paisagem do vale e quedas d’água.

OUTORGAS E EMPRESAS NA BACIA

Além da fábrica de papel existe um frigorífico na região. Os dois empreendimentos usam água do rio e lançam efluentes, ou seja, lançam água usada na indústria novamente no rio.

Segundo o Instituto Água e Terra, a fábrica de papel, quem pode lançar 70m³ de efluentes por hora, está com todas as licenças em dia e não tem notificações sobre descumprimentos das obrigações contidas nas licenças.

Na bacia também existem usinas de geração de energia. E há projeto para construir uma nova usina na região. E a localização dela seria a menos de 2 km do ponto de captação da Sanepar. Até agora não há licenças para essa obra. Veja no mapa.

Elaborado por Cléber Moletta/Rádio Cultura FM Guarapuava.

POR QUE ALGUNS EMPREENDIMENTOS SÃO ARRISCADOS?

Um aspecto é a vegetação. Construir uma usina, por exemplo, exige derrubada de mata e isso impacta na preservação da área. As fábricas usam água do rio e também despejam rejeitos no corpo hídrico, claro que a legislação coloca parâmetros e exige tratamento prévio do efluente. Mas, já pensou uma concentração de fábricas nessa região? Elas poderiam saturar o rio.
Esses aspectos conseguimos entender, mesmo sendo leigos no assunto. Porém, também devemos considerar o que está abaixo da terra. O professor Adalto Gonçalves de Lima, que é da Unicentro, nos ajuda a compreender. Ele já realizou diversas pesquisas na área e fez parte do grupo que realizou o Diagnóstico Socioambiental da Bacia, recentemente elaborado.
Ele explicou que no subsolo da bacia existem rochas que se formaram a partir de derrames vulcânicos. Mas, elas não estão todas inteiras, há fraturas, falhas (saiba mais ouvindo o Bônus, no final da reportagem).

Elas funcionam como caminhos preferenciais de circulação da água, desde a superfície até o subterrâneo. A água e os poluentes podem se infiltrar nessas zonas de fratura e atingir os reservatórios subterrâneos, ou a água subterrânea pode subir e extravasar, é o caso de nascentes, explica Adalto.

Por isso, é preciso proteger essas regiões onde existem falhas. Adalto observa que nelas a vegetação deve ser mantida e ter critérios de proteção ambiental para instalação de empreendimentos como indústria e postos de combustíveis.

# BÔNUS

Como é a formação de rochosa em Guarapuava e especialmente na região da Bacia do Rio das Pedras? Ouça a explicação do professor Adalto Gonçalves de Lima, professor e pesquisador da Unicentro.

Confira as outras reportagens da série Rio das Pedras: nossa água de cada dia.

Algo errado? Comunique pelo email: pauta@culturacatolica.com.br

A Rádio Cultura produz conteúdos jornalísticos de qualidade na região de Guarapuava. Algumas dessas histórias você acompanha aqui ou em centralcultura.com.br

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.